Quando se trata de crescimento capilar, o que mais vemos na internet são receitas, "técnicas" e suplementos que prometem acelerar o crescimento dos fios, trazendo propostas muitas vezes até milagrosas. Mas uma coisa que quase ninguém te conta é o papel da genética nisso tudo, que nem todo mundo nasceu para ter cabelão. Continue lendo para entender!



O ciclo capilar é composto por três fases: anágena, catágena e telógena. A fase anágena é responsável pelo crescimento do fio de cabelo; a catágena é onde a produção do fio para; a telógena é a "preparação" do folículo para liberar o fio de cabelo e iniciar um novo ciclo.

A fase anágena dura em média 2 a 6 anos, o que varia de pessoa para pessoa e é determinada geneticamente. Então é a duração dessa fase que define o comprimento do nosso cabelo, ou seja, cada pessoa tem um "limite" quando se trata de crescimento capilar. Algumas doenças, como a calvície ou problemas hormonais podem encurtar essa fase, e precisam de um tratamento específico.

Mas claro, há alguns cuidados que podemos ter para estimular o crescimento dos fios e atingir o comprimento máximo que a nossa genética permite. Alguns deles são:


  • Lavar regularmente: quando o couro cabeludo fica muito tempo sujo pode ocorrer a obstrução dos folículos capilares, o que dificulta o crescimento dos fios. Fazer detox 1x por mês auxilia na desobstrução, e é um tratamento essencial principalmente para quem sofre com oleosidade na raiz. Esse detox pode ser feito com shampoo específico ou com a mistura de co-wash+argila verde ou branca.
  • Se alimentar bem e beber bastante água
  • Usar tônicos e/ou fazer umectação: tônicos capilares e umectação com óleos vegetais são mais eficientes para estimular o crescimento dos fios que os "shampoos de crescimento", pois passam um período bem maior em contato com o couro cabeludo.

 

Leia também: Como fazer a umectação perfeita em 6 passos


Você já conhecia o papel da genética no crescimento capilar?

Imagem: Pexels